CaldoQuantico | FarolComunitario | Holopraxis | cql | CreSentes | DNAtos| ArtemcacoS| blogs | Fale Conosco | O Grupo | Imprensa | Política de Privacidade
CAMINHOS PARA O AUTO-EQUILÍBRIO
 
Saiba Mais - Geléia Real
A conexão é Você!

Documento sem título

QUEM SOU | O TRABALHO
ARTIGOS | SAIBA MAIS

PROGRAMAS | EVENTOS
VÍDEOS | HOLOPRAXIS

FAÇA CONTATO


Favos com geléia real

Produção em escala

Alguns povos antigos certamente conheceram a propriedade que têm a geléia real de prolongar a vida das abelhas rainhas. Por exemplo, é o que dá a entender o legendário mito, segundo o qual a ninfa Cyrene impregnava seus filhos com o dito produto e a célebre ambrosia, bebida que proporcionava eterna juventude às divindades do Olimpo.

Os primeiros colonizadores espanhóis, imbuídos das mesmas idéias, buscavam inutilmente nas mais longínquas selvas americanas a "fonte da juventude".No século XVII, o naturalista holandês J. Swammerdan descobriu que a diferença entre as abelhas operárias e a abelha rainha era devida a administração continuada às larvas destas últimas, de uma secreção das abelhas a qual chamou de mel salivar.

O termo Geléia Real, com o qual até hoje se denomina o leite das abelhas deve-se ao naturalista suiço Francisco Hubbert, hoje reconhecido como o cego vidente da apicultura moderna. Hubbert, privado da visão aos quinze anos de idade, dedicou-se ao estudo da vida e costume das abelhas, tendo se utilizado primeiramente dos olhos de seu ajudante e filho e posteriormente também dos olhos de sua esposa e filho, hábeis observadores, e assim obtendo grande ajuda ao seu espírito genial para levar a cabo suas observações e seus estudos críticos.

A ele se deve a utilização pela primeira vez do nome Geléia real. Na década de 50, antes mesmo da aparição do surpreendente livro do francês Alin Caillans, As abelhas, fonte de juventude e vitalidade, o polén e a geléia real, numerosas revistas européias davam caráter e notícia sensacionalista ao descobrimento da geléia real e suas virtudes rejuvenecedoras para a espécie humana.

Por conta das experiências de diversos cientistas europeus e norte-americanos dando conta sobre a composição vitamínica da geléia real o interesse de biólogos e laboratórios por esta nova substância das abelhas tornou-se firme e incrementou sua demanda.

Logo surgiram laboratórios nos quais visivelmente imperava interesse comercial sobre o científico. Isto ocasionou problemas para a geléia real no terreno da popularização de suas virtudes, e assim, sem atribuí-la nenhum trabalho documental sério, foi posta à venda em forma de alimento na Suiça, França e Alemanha.

Esta forma de colocar o produto logo causou à geléia real grandes prejuízos. Os produtores tiveram ultrapassada sua capacidade de produção e a oferta de geléia real não alcançava as quantidades requeridas, causando um sentimento de frustração nas pessoas interessadas em conhecer seus benefícios na saúde.

A falta de informação para o médico e o evidente interesse em mantê-lo afastado deste tema motivou um justo movimento de repúdio, ceticismo e seguramente a geléia real teria sido proscrita da terapêutica humana não fosse uma fortuita casualidade de ampla repercussão mundial: o restabelecimento do Papa Pio XII.

Quando no início do ano de 1954, foi informada a milagrosa aparição de Cristo ao Santo Papa, gravemente enfermo e posteriormente noticiou-se o rápido e espetacular restabelecimento, e quando se aludia à geléia real como o remédio que operara esta virtuosa ação, já faziam mais de dez meses que o mundo científico estava inteirado desta sensacional revelação biológica.

Efetivamente, no II Congresso Internacional de Biogenética Racional, celebrado em Roma, em abril de 1955, se deu a conhecer oficialmente o trabalho do professor, médico de cabeceira há 25 anos do Papa Pio XII, Dr. Ricardo Galleazzi Lisi, sobre O Tratamento do Câncer com geléia real. No dito informe, apresentando o quadro clínico de Sua Santidade e tendo ensaiado todas as terapêuticas conhecidas, entre as quais cabe destacar a celuloterapia do Dr. Paul Niehans, foi somente mediante a introdução de uma sonda pela mão experiente do cirurgião professor Paolucci se logrou administrar a mais revolucionária terapia natural, solução de geléia real, que foi generosamente enviada do México.

Temos ministrado uma série de cápsulas de geléia real em doses progressivas e temos chegado a conclusão que deve ser considerada totalmente atóxica. Os efeitos deste medicamento são tais que atualmente a despeito da atividade que desenvolve no mundo temporal como no universo espiritual nosso ilustre enfermo se comporta satisfatoriamente, permitindo pensar que superará muito bem os 80 anos recentemente festejados.

É indubitável que elementos de eficácia assombrosa devem estar presentes nesta secreção das glândulas galactógenas da Apis Mellifica; nós, que vemos diariamente sua ação e seqüência de resultados favoráveis, temos que concordar com Maurice Zalewski e Charles Reber Point de Vue, Images du Monde, 5-11-53.

É a missão da ciência por às mãos dos homens o que é domínio dos deuses. De modo que nossas obras são de morte, esta será uma obra de vida. Corresponderá a era da geléia real impor-se sobre a era atômica. Quando o Dr. Frederico Banting e o Prof. H. F. Jackson empreenderam os estudos de prolongamento da vida por meio da geléia real no ano de 1936, baseando-se nas notáveis observações que sobre as abelhas exercia esta substância, manifestaram:

Há um campo imenso de possibilidades. Os resultados podem ser maravilhosos, incríveis.

Composição
A geléia real apresenta uma imensa concentração de elementos.

Proteínas, Aminoácidos, Minerais (cálcio, ferro, zinco, fósforo, potássio, magnésio, cobre, sódio, manganês, silício, cloro, cobalto e alumínio), Vitaminas (ácido fólico, colina, niacina (pp), inositol, tiamina (B1), riboflavina (B2), ácido pantotênico (B5), piridoxina (B6), biotina (H), cianocobalamina (B12)), Compostos Fosfóricos e Ácidos Graxos.

Aplicações
A medicina natural integral, utiliza a geléia como auxiliar nos tratamentos de bronquites, gripes, fraquezas, anemia, convalescentes, deficiências imunológicas. A geléia real desacelera o processo de degeneração e envelhecimento precoce, regula ciclos hormonais, combate a impotência, reduz a ação dos radicais livres. Pode ser usada externamente, nos casos de hemorróidas, queimaduras, micoses e ferimentos de cicatrização difícil. Como máscara facial, limpa a pele e elimina rugas.

Cuidados
A geléia real deve ser mantida sob refrigeração e utilizada somente "in natura", os produtos "compostos" com geléia real na maioria dos casos contém quantidades insuficientes do ponto de vista energético. A dosagem de consumo é de uma colher de café, duas ou três vezes ao dia, em jejum ou longe das refeições.

Informações fornecidas pelo pesquisador Osni Facchini